O jazigo desmistificado: arte e vida na sua decoração

Em geral, os cemitérios são tidos como locais ermos, tristes, desolados e até macabros. A contribuir para tal ideia, o jazigo enquanto ponto integrante dos cemitérios parece trazer um maior significado negativo e melancólico – tanto por ser construído em pedra, um material frio, como por se saber que é nessa edificação de tamanho pequeno ou médio que se encontram os corpos de quem já faleceu. jazigo

No entanto, os jazigos têm significados bastante mais ricos – não só enquanto forma tradicional de albergar os mortos numa sepultura mais complexa, mas também por serem uma forma de arte, capaz de veicular mensagens simbólicas. Aliás, o jazigo é um local sinónimo de abrigo e refúgio. Famílias inteiras podem aí encontrar-se sepultadas, envolvidas por elementos simbólicos diversos.

 

A arte fúnebre não tem de ser melancólica

No Museu do Louvre, em Paris, a ala dedicada à arte grega alberga alguns túmulos esculpidos de maneiras únicas: casais que aí repousavam juntos são retratados com grandeza na forma de esculturas embutidas nas suas próprias sepulturas, personalidades relevantes nas cidades que são “guardados” por divindades profusamente representadas na pedra que guardavam os seus corpos.

Tal como os túmulos, também os jazigos podem (e devem) ser admirados como uma forma de arte. Um jazigo é também um local de comemoração da vida de alguém e há quem represente os seus feitos e conquistas terrenas dessa forma, na pedra.

No século XIX era mesmo comum os indivíduos mais ricos contratarem os melhores artistas escultores da Europa para produzirem os seus jazigos e túmulos e foi por volta da mesma época que as ferramentas mecânicas e eléctricas mais avançadas começaram a permitir uma ainda maior grandiosidade nestes trabalhos antes manuais. Desta forma, a sofisticação da arte funerária aumentou e os custos da sua realização diminuíram – e puderam ser acrescentados a um jazigo outro tipo de elementos, como grades e portas de metal.

 

A beleza das imagens começa a desmistificar os cemitérios

Em Portugal, um dos cemitérios mais admirados pela beleza das suas sepulturas é o Cemitério dos Prazeres, em Lisboa.

Uma reportagem de Fevereiro de 2014, no Jornal I, retrata-o como um local onde “se contam histórias através de um percurso que junta romances que se tornaram conhecidos por desafiarem as regras sociais da época.” De facto, a arte funerária também conta histórias e até a própria História.

Por isso é que, nos últimos anos, se tem verificado a desmistificação dos cemitérios. O surgimento de um tipo de turismo ligado à apreciação dos cemitérios como locais nobres e artísticos que o comprove. Tal como num museu, os visitantes são convidados a descobrir as histórias e a História inscritas nas sepulturas, a apreciar a beleza das imagens e o trabalho levado a cabo por artistas ao longo dos séculos em cada túmulo e jazigo.

Publicado em Serviços Funerários com a(s) etiqueta(s) , , , , , , , , a por .

Sobre Vasco Simões

Jovem de 33 anos, depois de estagiar com vários especialistas, nalguns casos, com mais 25 anos de experiência, desenvolve a sua atividade enquanto mestre de cerimônias desde 2010 na Lusitana, procurando conjugar a tradição com a inovação, aportando uma nova imagem ao setor. Liderando uma equipa que reflete o espirito da Lusitana, o compromisso na escuta e acompanhamento das pessoas que nos procuram, a prestação de serviços adaptada a cada um, cultiva e promove valores fundamentais na atividade, tendo como resultado; contemporaneidade, segurança e confiança. Mestre de cerimonia da Lusitana, com formação em Legislação laboral e da atividade funerária,orçamentação e faturação de produtos e serviços funerários,procedimentos burocráticos relativos ao óbito,prevenção de riscos na atividade funerária;psicologia do luto, tanatopraxia e tanatoestética.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *