Campas: conheça tradições ancestrais, aqui!

A morte é algo natural e completamente inerente a qualquer ser vivo, no entanto tem significados e rituais totalmente diferentes um pouco por todo o mundo, dependendo do povo ou cultura em questão. Para muitos os entes queridos são enterrados nas campas da família, outros são adeptos de guardar as cinzas, para outros faz-se uma festa no lugar do funeral, celebra-se a morte.

A morte pelo mundo: conheça as tradições!

No Japão os funerais são feitos na casa da família do falecido, estes fazem uma preparação do corpo antes de o sepultar nascampas jazigos campas. Isto é, limpam o corpo, trocam as roupas, maquilham o cadáver para ficar mais apresentável, para que tenha um bom aspeto na passagem para o outro mundo. O ritual pode ser feito pelos familiares, mas normalmente são os “Nokanshi” os profissionais encarregues de fazer a passagem para o além.

Em Portugal os funerais caracterizam-se por serem uma cerimónia sóbria de despedida dos defuntos, onde há uma longa vigília que antecede o enterro com toda a cerimónia e enterro dos corpos dos falecidos nas respetivas campas. Esta é a tradição católica geralmente praticada nos países latinos. Antigamente durante e depois do funeral havia a prática o luto usando roupas negras que acarretava sentimentos também eles negativos. Longe vai essa prática, sendo adotada por cada vez menos pessoas, nomeadamente pelas viúvas e familiares diretos.

Na Suíça e na Itália, os funerais são feitos em casa e duram pelo menos 48 horas podendo chegar a uma semana, para que toda a gente possa ter tempo de se despedir como quiser do falecido. Normalmente há uma espécie de banquete onde as pessoas vão petiscando alguns salgadinhos, bebem um vinho e falam normalmente sem constrangimentos. Na Suíça alguns hospitais disponibilizam uma sala refrigerada onde o corpo pode ficar à disposição de quem o quiser visitar, marcando uma hora para a visita, como se fosse uma visita hospitalar.

Já no México o dia de enterro é comemorado com muita festa e alegria, como se fosse uma festa de aniversário. O morto é convidado a participar na festa e os vivos festejam para que ele fique bem.

Em Moscovo o funeral é geralmente feito numa igreja ortodoxa, e tal como no México a cerimónia é uma reunião muito alegre, onde as pessoas vestem roupas com cores vivas e alegres, é proibido usar preto, e entoam-se cânticos de alegria.

Funeral nas religiões monoteístas

Judaísmo: O funeral judaico é realizado de uma forma muito simples, o morto após o Taharat é envolvido numa mortalha branca, igual para todos independente do sexo, ou extrato social. Segundo os judeus, ricos e pobre encontram-se no céu, e perante Deus são todos iguais, o que se segue é mais importante do que aquilo que ficou para trás.

Cristianismo: No funeral dos cristãos, todos se vão despedir do morto, desde os amigos, vizinhos e familiares. Após o velório, o líder religioso faz orações e súplicas e fala um pouco sobre o morto. Todos o acompanham até ao cemitério e homenageiam o morto com flores e coroas de flores espalhadas pelas campas.

Islamismo: Tal como no judaísmo é recomendado que o morto seja enterrado o mais rápido possível, por isso, após o banho há uma oração para ajudar o morto a fazer a passagem. O líder religioso desce com o corpo do morto e coloca-o sobre a terra, colocando a cabeça voltada em direção da Caaba em Meca.

A AFLUSITANA tem o melhor serviço para dar ao seu ente querido um funeral digno que ele tanto merece.

Publicado em Serviços Funerários com a(s) etiqueta(s) , , , , , , , , , , , , , a por .

Sobre Vasco Simões

Jovem de 33 anos, depois de estagiar com vários especialistas, nalguns casos, com mais 25 anos de experiência, desenvolve a sua atividade enquanto mestre de cerimônias desde 2010 na Lusitana, procurando conjugar a tradição com a inovação, aportando uma nova imagem ao setor. Liderando uma equipa que reflete o espirito da Lusitana, o compromisso na escuta e acompanhamento das pessoas que nos procuram, a prestação de serviços adaptada a cada um, cultiva e promove valores fundamentais na atividade, tendo como resultado; contemporaneidade, segurança e confiança. Mestre de cerimonia da Lusitana, com formação em Legislação laboral e da atividade funerária,orçamentação e faturação de produtos e serviços funerários,procedimentos burocráticos relativos ao óbito,prevenção de riscos na atividade funerária;psicologia do luto, tanatopraxia e tanatoestética.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *